quinta-feira, 23 de abril de 2009

DROGAS-CRIME ORGANIZADO

A MÁFIA ISRAELENSE , O TRÁFICO DE DROGAS E LAVAGEM DE DINHEIRO


O Rabino Yosef Crozer caiu por causa de sua boca grande. " eu lavo dinheiro, um monte de dinheiro ", ele disse uma vez a um conhecido, " cada dia eu pego US$300.000 da rua 47 em Manhattan, trago-os para a sinagoga, dou um recibo e então pego a comissão". O homem que ouviu aquela história de Crozer era, que pena, um agente secreto judeu da agência Norte-Americana para combate ao uso de drogas, (DEA). Um mês mais tarde, em fevereiro de 1990, Crozer foi preso por agentes em seu caminho da rua 47 para o Brooklyn. Encontraram com ele livros de preces, cinco passaportes, e também US$280,000 dólares em dinheiro vivo dentro do porta-malas do seu carro. Ele viajava nesta rota todos os dias. Ele iria chegar ao escritório de comércio de ouro na rua 47 à tarde, e sair logo depois, carregando malas e sacolas cheias de dinheiro. De lá ele iria dirigir até a sinagoga " Hessed Ve'Tzadaka " [ " mercê e caridade" ] no Brooklyn, que tinha se tornado um instrumento para a lavagem de milhões de dólares, renda obtida da venda de drogas na área de Nova York

Essa era a maneira como Crozer ganhava a vida. Assumindo que a comissão para lavar dinheiro variava na área de 2 a 6%, pode se presumir que o Rabino Crozer não tenha passado fome. Os investigadores que o questionaram enfrentaram uma tarefa simples, um judeu respeitável e religioso que nunca imaginou que seria interrogado, filho de um rabino altamente respeitado que liderou um grande yeshiva na cidade de New Square, Crozer não opôs resistência e cooperou. Mas então seu advogado, Stanley Lupkin, argumentou que seu cliente, um judeu devoto, não tinha nenhuma idéia de que estava lavando dinheiro de drogas. Crozer, de acordo com seu advogado, acreditava que ele estava lavando dinheiro para um comerciante judeu de diamantes " que negociava em dinheiro e não para traficantes de droga gentios (não-judeus)", e estava usando a situação para fazer algum dinheiro apenas para sua sinagoga. Parece que este argumento teve algum efeito porque Crozer foi sentenciado a um ano e um dia de prisão. Em troca de uma sentença mais suave, ele forneceu a seus interrogadores informações valiosas que lhes ajudaram a capturar uma pessoa que eles estavam procurando por muito tempo: Avraham Sharir, um outro judeu religioso, proprietário de um escritório de comércio de ouro na rua 47 que era realmente um dos maiores tubarões da lavagem de dinheiro de drogas em Nova York . Sharir, um judeu israelense de cerca de 45 anos de idade, a quem nós iremos retornar mais tarde, confessou subseqüentemente ter lavado $200 milhões de dólares para o cartel colombiano de Kali.

Sharir não perdeu sua postura. Quando os agentes estavam vasculhando seus escritórios, conseguiu esconder $600.000 dólares que estavam em sua conta de banco naquele momento, e transferir o dinheiro para um lugar seguro. Simultaneamente, Sharir se encrencou com seus operadores colombianos, que reclamaram que ele tinha roubado deles $26 milhões de dólares do dinheiro das drogas. Sharir, que negou a acusação, contratou um investigator profissional israelense, Lihu Ichilov, para resolver o mistério. Ichilov logo se tornou sócio de Sharir. Ele voou para o Panamá, estabeleceu duas empresas falsas lá, abriu contas de banco e melhorou as rotas de lavagem.
Depois da invasão dos agentes federais em seus escritórios, Sharir não deu desistiu. Dentro de duas semanas ele abriu outros dois escritórios na rua 47 e recomeçou o trabalho. Quando perguntado por um de seus advogados como tinha esperado escapar da atenção da lei, Sharir respondeu: " eu mudei meu sistema e acreditei que agora, com ajuda de Deus, eu nunca seria pego". O novo sistema de Sharir incluia o rabino Yosef Crozer, de quem nós já falamos anteriormente. A boca grande de Crozer derrubou Sharir, e eles foram presos em março de 1990. Crozer levou também Sharir a confessar ter lavado $200 milhões de dólares. Sua esposa, Miryam, foi presa junto com ele. Sharir, sob a pressão da interrogação concordou em cooperar na troca pela liberação de sua esposa e para o cancelamento das acusações contra ela. A promotoria concordou.
Isto era um negócio extremamente bom até o ponto que a promotoria sabia. Por três meses Sharir alimentou os investigadores federais com as mais valiosas informações a respeito da indústria de lavagem de dinheiro judaica. A informação incluiu nomes, métodos de operação, códigos, e contas de banco. Sharir conduziu-os à exposição de o que é denominado " o novo triângulo da cocaína ". Conduziu à incriminação de mais de 35 outros lavadores judeus, à apreensão de $10 milhões de dólares e da quebra de vários anéis judaicos de lavagem. Entre outros, Sharir incriminou o maior tubarão da lavagem de dinheiro na história dos Estados Unidos, Stephan Scorkia. Sharir, que testemunhou em seu julgamento, conduziu diretamente a sua condenação. Scorkia foi acusado por lavar $300 milhões de dólares, e sentenciado a 660 anos de prisão.
Sharir é agora registrado no programa de proteção à testemunhas dos Estados Unidos. Vive sob uma identidade falsa, liberado por fiança, viaja sob pesada segurança entre Nova York, Rhode Island, Arizona e outros estados, testemunha em julgamentos criminais e por aí vai. Sua esposa, Miryam divorciou-se dele logo depois que o caso explodiu. Ela recusa a comentar o assunto e disse ao Daily News; " eu não tenho nenhuma intenção de falar. Eu me divorciei de Aharon a fim me distanciar dele e de seus amigos, e exatamente isto o que eu estou fazendo ". Sharir foi diretamente responsável pela fuga de pelo menos 35 colombianos dos Estados Unidos de volta para a Colômbia. Um dos fugitivos era Duvan Arbolda, um dos maiores lavadores do cartel de Kali. Arbolda foi acusado em uma corte de Manhattan de lavar dinheiro em uma vasta escala , depois do testemunho de Sharir. Quando terminar de testemunhar, o próprio Sharir será julgado. O promotoria concordará com uma sentença muito baixa, mas isto não melhora suas possibilidades de sobrevivência. " Atualmente, Aharon Sharir encabeça a lista negra do cartel de Kali " disse um oficial da receita interna norte-americano. As acusações também serviram contra Lihu Ichilov, sócio de Sharir. Entretanto, Ichilov fugiu para Israel na véspera de seu julgamento, em janeiro de 1991. Aquele foi o período da Guerra do Golfo e o juiz, Richard Owen, que julgou Ichilov em sua ausência, disse: o " Sr. Ichilov prefere aparentemente enfrentar o horror dos mísseis Scud que caem em Israel do que o Sistema Norte-Americano de justiça".

video

Nenhum comentário:

Postar um comentário